SIGNIFICADOS

Desconfio que o verso perdeu o nexo.
Há paredes moles subindo pelas escadas.
E o que isso quer dizer? Nada.
Sinto que braços sem ventres e ventres sem cabeças
pendem pesados de árvores,
num pomar com pés de caju e olhos-d’água.
Tenho uma impressão muito forte,
forte como um dedo numa identidade;
uma impressão que há uma verdade circular
circulando nas cabeças meio redondas e meio ovais.
O que foi que aconteceu à humanidade?
Será que como eu já comeu o sentido?
É quase certo que existem lábios fechados pronunciando sensações
como um zumbido de tempos comidos.
Desconfio que meu corpo está em alguns dos versos acima.
Há um clima
de autocanibalismo que primeiro come a língua
e depois come como eu todas as combinações do alfabeto.
Que sentido haverá se eu disser
que o verso perdeu a fé
na poesia?
Há uma azia que bem podia ser um continente,
se eu não tivesse perdido os sons, as grafias e os sentidos.

Stato

La valoroj de la vortoj

Ŝajnas al mi, ke, aldone al la signifo, vortoj havas ankaŭ valorojn. Temas pri la graveco de la vortoj por specifa lingvokomunumo; pri valoroj, kiuj ŝanĝiĝas depende de la lingvo, de la parolantoj kaj de la alkutimiĝo de la parolantoj al tiuj vortoj. En Esperanto, la vortoj “kritiko” kaj “recenzo” aperas al mi kiel normalaj, rutinaj, sen specialaj nuancoj. Sed, en la portugala lingvo, la samaj vortoj “crítica” kaj “resenha” sonas al mi pli elegantaj, kun aludo al poluriteco, rafiniteco, subtileco…